PEQUENOS NEGÓCIOS IMPULSIONAM EXPANSÃO DE SPAS URBANOS

 
 

Pequenos negócios impulsionam expansão de SPAs urbanos no País

Comodidade e diversificação de serviços oferecidos pelos SPAs atraem cada vez mais pessoas em busca de descanso e tranqüilidade

Brasília - No meio da confusão dos centros urbanos, quem nunca desejou fugir para um lugar tranqüilo, relaxar e cuidar do corpo e da mente sem perder muito tempo. Apostando nessa possibilidade, cresce cada vez mais no País o número de SPAs urbanos ou day SPA. Instalados no meio das cidades, eles oferecem desde tratamentos estéticos ao relaxamento e alívio do estresse em apenas um dia ou horas.

O surgimento dos SPAs urbanos no Brasil não é recente, mas a expansão desse tipo de serviço tem acelerado nos últimos anos, por iniciativas especialmente de micro e pequenas empresas. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Clínicas e SPAs (ABC-SPAs), Ala Szerman, só em São Paulo existem cerca de três mil deles, dos quais quase 90% são pequenos empreendimentos. E a tendência é de crescimento por todo o País.

As pessoas querem ser atendidas próximo ao seu bairro, da sua casa ou do trabalho, disse Ala ao exemplificar um dos motivos do crescimento do setor. Segundo ela, a necessidade de estar mais próximo ao cliente exige estruturas menores, o que favorece a abertura deste tipo de negócio por micro e pequenas empresas.

Variedade de serviços

A expressão SPA vem do latim `sanus per aquam, que significa saúde pela água, mas hoje ele oferecem mais do que terapias por meio de banhos. Ainda não há uma regulamentação que classifique os SPAs de acordo com suas especialidades e serviços oferecidos. Assim, as opções de serviços variam. Dependendo do local, podem ir de massagens, aromaterapias, e tratamentos estéticos mais simples aos mais sofisticados.

Entre os mais glamourosos estão banhos à base de vinho e até hidratação com cremes à base de seda e pó de ouro. Esta hidratação é um dos serviços oferecidos, por exemplo, pelo Shalia Day Spa, uma pequena empresa de Brasília, que começou suas atividades em 2003 e que hoje atende a cerca de 500 a 600 pessoas ao mês, segundo a proprietária, Josani Gravia.

A tendência dos SPAs urbanos é crescer, mas é preciso se especializar, estudar e planejar, diz Josani, lembrando que se preparou muito ante de abrir sua empresa. A empresária contou que entre os treinamentos que realizou, participou do Empretec, programa de capacitação oferecido pelo Sebrae que reforça as características empreendedoras do indivíduo como persistência, capacidade de planejar e correr riscos calculados, entre outras.

Dentista sem tensão

E quando o assunto é fugir da ansiedade ou tensão, o segmento permite ao empresário ousar um pouco mais. É o caso do Djin-Sey Spa, uma pequena empresa de São Paulo, que agrega este tipo de atendimento a tratamentos odontológicos.

De acordo com a proprietária Lúcia Yamakawa, a idéia partiu da sua experiência pessoal: o medo de ir ao dentista e a angústia da sala de espera. Foi quando decidiu abrir um negócio em que, ao buscar tratamento odontológico, a pessoa também pudesse contar com serviços de relaxamento como massagens com técnicas chinesas, como o shiatsu.

Abrimos em 2004 e ainda é um negócio novo, mas já temos muitos clientes que fazem sessões conjuntas de atendimento odontológico e relaxamento, explicou Lúcia, lembrando que também procurou orientação do Sebrae em são Paulo para abrir o empreendimento.

Também em São Paulo, o proprietário do Slim Spa, Antônio Elias Oliveira, conta que quando abriu a sua pequena empresa, por volta de 1990, atendia entre cinco a seis clientes novos ao mês e, hoje, atende a cinco a seis ao dia.

Ele também aposta no crescimento deste tipo de negócio por todo o País. Toma por base especialmente o fato de que ¿obesidade e estética é um tema recorrente¿, e no fato de que a população dos grandes centros urbanos procura, nestes ambientes, um refúgio para a correria do dia-a-dia, com a comodidade de poder ficar perto de casa ou do trabalho.

Espaço para todos

Na avaliação da presidente da ABC-SPAs, Ala Szerman, há, no Brasil, mercado para todos os tipos de SPAs, tanto para os urbanos quanto para os tradicionais, instalados em áreas mais afastadas. Em 2004, só a indústria cosmética brasileira movimentou R$ 11 bilhões, exemplificou.

Ala citou entre fatores essenciais para o crescimento deste mercado o aumento da longevidade do povo brasileiro, o problema de obesidade que começa a afetar mais a população, além do elevado índice de estresse, que está fazendo com que as pessoas estejam à procura do belo e do prazer de viver.

Fonte: Agência SEBRAE Notícias
Data Inclusão: 03/03/2005
Autor: Dilma Tavares / Márcia Gouthier