SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 05/09/2005
Autor: José Martonio Alves Coelho
Fonte: DIÁRIO DO COMÉRCIO

A maldade da MP do Bem

Enquanto só se fala em blindagem da economia para que ela não sofra impactos da crise política, passa despercebida a Medida Provisória 252.

Em tramitação no Congresso, o pacote de incentivos fiscais para novos investimentos produtivos, batizado de "MP do Bem", contempla em seu bojo uma boa fatia da "MP do Mal".

A Receita Federal, a exemplo dos lobbies empresariais que se articulam para obter benefícios tributários, aproveitou-se dessa medida para inserir no texto regras que visam elevar a arrecadação.

Ou seja, os novos artigos pleiteados pela Receita têm como objetivos a redução de brechas na sonegação e o aumento da eficiência do Fisco.

Apesar da entrada de tantas "bondades", a mesma Frente Brasileira de Entidades, da qual o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) está à frente e que conseguiu derrubar a MP 232, voltou a dar as mãos defendendo, em síntese, um sistema tributário que não desestimule os empreendedores.

Após duas reuniões e uma análise mais aprofundada do conteúdo da "MP do Bem", ficou claro que esta possui pontos positivos, porém, peca por incentivar apenas alguns setores como, por exemplo, o exportador, o imobiliário, da informática, de inovação tecnológica e de previdência privada. Cria benefícios para o Imposto de Renda da Pessoa Física e também para empresas instaladas em regiões pobres, mas maldades estão intercaladas e não corrige distorções graves, a exemplo do prazo de recolhimento de tributos.

As empresas, em média, têm que pagar impostos após 25 dias, enquanto o prazo para a entrada da receita é de 57 dias. As companhias, desta forma, são obrigadas a antecipar os impostos antes de receber, configurando um confisco antecipado do faturamento da empresa, que é obrigada a recorrer a capital de giro e taxas de juros altíssimas. Das 5,5 milhões de empresas pesquisadas, 54%, ou melhor, três milhões possuem débitos tributários.

Mesmo os setores beneficiados pela MP 252 consideram os incentivos acanhados. Prova disso é que a MP chegou à Câmara com um total de 443 sugestões de emendas.

No passado, quando a carga tributária era menor e a inflação alta, os prazos de recolhimento dos tributos foram antecipados para que o governo não perdesse, mas hoje, com carga tributária próxima de 40% do Produto Interno Bruto e índices inflacionários relativamente baixos, a antecipação não se justifica.

Outra maldade grave é em relação ao dispositivo que possibilita a criação de turmas especiais no Conselho de Contribuintes. Se a MP for convertida em lei, o Ministério da Fazenda poderá estabelecer turmas temporárias para julgar os processos que especificar, de acordo com a matéria ou valor da causa. Com esses verdadeiros fiscais de exceção, o Fisco passa a ter o poder de mudar o curso do julgamento.

O que o país não pode tolerar mais são as altas cargas tributárias cobradas das empresas paralelamente às elevadas taxas de juros. Juros esses que sufocam o setor produtivo, impedindo a criação de empregos e de novos investimentos.

O confisco antecipado compromete a saúde das empresas e o capital de giro dos empreendedores.

*José Martonio Alves Coelho é presidente do Conselho Federal de Contabilidade


Destaques da Loja Virtual
COMO TRANSFORMAR SEU TALENTO EM UM NEGÓCIO DE SUCESSO

Este livro foi elaborado especialmente para aquelas pessoas que sonham em ter o próprio negócio mas não sabem como fazer para ter sucesso. Nele, a au...

R$45,00