SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 15/09/2005
Autor: Luiz Guilherme Brom*
Fonte: Gazeta Mercantil - SP

Falta um modelo brasileiro de gestão

Ao esmiuçar os desafios e dificuldades presentes na produção fabril, a administração científica de Taylor sugere a idéia do trabalho fragmentado em tarefas especializadas

O País ainda deve uma revolução que estimule soluções administrativas originais.

O engenheiro norte-americano Frederick Winslow Taylor (1856-1915), considerado um dos fundadores da administração de empresas, criou uma nova ordenação do trabalho, mais adequado à economia industrial, em oposição ao modo um tanto errático da produção pré-capitalista.

Ao esmiuçar os desafios e dificuldades presentes na produção fabril, a administração científica de Taylor sugere a idéia do trabalho fragmentado em tarefas especializadas, o que afetará profundamente as sociedades industriais muito além do muro das fábricas.

A concepção taylorista de divisão do trabalho possibilita então a produção em escala e a elevação contínua da produtividade. Conceito que será retomado e aprimorado por Henry Ford, inventor da linha de montagem e responsável pela incrível peripécia de 15 milhões de veículos produzidos entre 1908 e 1926.

A idéia do gerenciamento empresarial restrito às questões e aspectos materiais ¿ tão arraigada nas teorias pioneiras da administração ¿ sofre, entretanto, um primeiro revés ao final da década de 1920. Elton Mayo, professor de Harvard, contesta a visão exclusivamente econômica da administração, chamando a atenção para as relações sociais presentes nas organizações.

Liderança, motivação e comunicação estréiam então como objetos de estudo dessa emergente área de conhecimento. Daí para a frente, as teorias da administração avançam pelo século XX, ora reagindo às suas próprias concepções, ora recorrendo a outros campos de conhecimento.

Outra corrente de rejeição a Taylor, a teoria comportamental, alega que pessoas não são máquinas e que uma empresa é um ambiente repleto de sentimentos e elementos invisíveis à primeira vista: amizade e hostilidade, cooperação e competição, grupos e regras informais. Max Weber, por seu lado, cede ¿ post-mortem ¿ aos analistas da administração sua brilhante pesquisa sobre burocracia, cujos desvios e insanidades são tão bem conhecidos dos brasileiros. Contrapondo a Weber, a teoria estruturalista sugere a combinação de duas estruturas verificáveis em qualquer organização: a formal ou oficial e a informal, que é dada por comportamentos e atitudes informais dos grupos sociais.

Na década de 1960, juntamente com a chegada da computação nos escritórios, a teoria de sistemas defende a visão da empresa como um conjunto de partes relacionadas que, de forma integrada, se movimenta no sentido de metas e objetivos programados.

Enquanto isso, do outro lado do mundo, o engenheiro Ohno, diretor da fábrica de automóveis Toyota, enunciava suas reflexões que iriam revolucionar a indústria japonesa e surpreender o Ocidente industrial. Com a "fábrica mínima" e a "administração pelos olhos", o toyotismo ensinou como produzir com qualidade em qualquer escala.

O volvismo da Suécia, o associativismo do norte italiano e a indústria de tecnologia do Vale do Silício (EUA) são outras experiências gerenciais inovadoras do último quartil do século XX. O macroambiente turbulento dos novos tempos, todavia, justifica a empresa enxuta, mutante e ágil, que a teoria da contingência considera indispensável para o enfrentamento dos riscos crescentes.

Mas a volatilidade dos mercados, a crise e o medo também fizeram nascer um novo nicho de mercado: a partir da década de 1980 explode a literatura de negócios em linguagem popular, sem origem científica ou acadêmica, uma espécie de auto-ajuda da administração.

Essa abordagem simplista impulsiona o modismo na área da gestão, não apenas no mercado editorial, mas também com produtos de consultoria, cursos, revistas, vídeos e palestras. A administração ganha uma razão em si mesma, tornando-se ela própria um exuberante segmento de negócios.

Se as grandes regiões do mundo desenvolvido produziram ¿ em diferentes momentos ¿ modelos inovadores de gestão, é notável a ausência de uma proposta genuinamente brasileira. País de empresários corajosos e diligentes, malgrado o ambiente hostil ao empreendedorismo, o Brasil ainda não conseguiu formular seu padrão de administração que ressalte as especificidades culturais, a exemplo do que fizeram nações como Japão, Suécia ou EUA.

Qualidades particulares que resultem em diferenciais competitivos. O País ainda deve uma revolução no campo da gestão que valorize a indiscutível criatividade de sua gente, que estimule soluções administrativas originais e que democratize o acesso ao empreendedorismo. Produtos nacionais de maior sucesso mundial, que expressam com toda força a genialidade brasileira, possuem raízes na cultura popular, com praticamente nenhuma influência da administração profissional. É o caso da música, do futebol, do carnaval e das artes populares em geral.

Se o notável talento brasileiro já permeia algumas áreas da ciência, o mesmo não se pode dizer do campo da gestão, que de forma geral ainda se prende a modelos importados, mal adaptados, autoritários e freqüentemente anacrônicos. As empresas brasileiras, tanto quanto os órgãos da administração pública, precisam abrir espaços de liberdade ao potencial inovador de seus profissionais.

No âmbito das escolas, por outro lado, o desafio está em contextualizar a pesquisa na administração de empresas, em conectar-se globalmente sem cair no peleguismo metodológico e pedagógico. A força competitiva de um modelo brasileiro de administração residirá justamente no reconhecimento dos atributos culturais do País.

*Superintendente institucional da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap)


Destaques da Loja Virtual
SUPERDICAS PARA IMPULSIONAR SUA CARREIRA

Conseguir um emprego novo ou usar todos os recursos possíveis para não perder o emprego que temos. Muitas vezes, esses são os dois fats decisivos que ...

R$13,00