SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 28/10/2005
Autor: Folha de S. Paulo - SP
Fonte: Folha de S. Paulo - SP

Empreendedores defendem ética

Empresários discutem como manter os negócios longe da corrupção

O principal desafio do empreendedor num país incerto como o Brasil, onde o caixa dois virou apenas "desvio de conduta", é manter a ética nos negócios e a fidelidade aos princípios de honestidade, independência e respeito aos clientes e colaboradores.

Essa foi a tônica das intervenções dos empresários que participaram ontem do painel "Como fazer uma empresa dar certo em um país incerto", durante a 5ª edição do CEO Summit, organizado pela Endeavor, ONG que apóia o empreendedorismo no Brasil.

Octavio Frias de Oliveira, empresário e publisher da Folha, Jorge Paulo Lemann, sócio da Inbev, e Luiz Ernesto Gemignani, diretor-presidente da Promon, que participaram do painel, destacaram que não é fácil manter empresas "longe dos instintos primitivos da corrupção", segundo palavras do ex-deputado Roberto Jefferson citadas por um participante na platéia do seminário.

Desenvolver uma cultura que defina valores, o que é (e não é) aceitável, é o caminho para não se deixar levar por tais instintos, segundo Lemann, fundador do Banco Garantia. "A conduta ética é o que garante a longevidade das empresas", disse. No tempo em que esteve à frente do banco, ele lembra que via "várias instituições participando de esquemas com governos".

"Éramos instados a não ficar fora [desses negócios] para não perder mercado. Mas os nossos colegas que estavam metidos nessas operações nunca tentaram construir uma empresa ética e sumiram do mercado", disse Lemann.

No caso da mídia, a questão ética leva o nome de independência editorial. Para Frias, "não é fácil manter a independência".

"As tentações são muito grandes e elas ocorrem a cada dia. Mas não há preço que pague a independência. Nós a cultivamos religiosamente e essa é uma das razões do sucesso da Folha", afirmou Octavio Frias de Oliveira.

Já o presidente da Promon, Gemignani, destacou a singularidade da cultura da empresa como responsável pela manutenção da ética. "Há 35 anos a Promon é de propriedade de seus profissionais. Eles podem comprar ações ao entrar na empresa e vendê-las ao sair", disse.

Segundo Gemignani, a diretoria é eleita pelos seus 700 profissionais. "Temos uma cultura de transparência, integridade e excelência nas relações com o cliente e entre as pessoas que trabalham na empresa", disse.


Destaques da Loja Virtual
AGÊNCIA DE EMPREGO

Este perfil tem como finalidade apresentar informações básicas a respeito da abertura de uma Agência de Emprego. Serão abordados assuntos relacionados...

De R$8,00
Por R$6,00
Desconto de R$2,00 (25%)