SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 08/12/2005
Autor: Sergio Malta
Fonte: A Notícia

Uma questão de justiça social

Qualquer empresa de grande porte investe mais em tecnologia e mão-de-obra automatizada, para baratear custos

Nós, do Sebrae, costumamos dizer que o empreendedorismo está na alma dos brasileiros.

Eu vou além. Ele está no centro de uma das questões mais delicadas e sérias da história do nosso País: a distribuição justa da renda. Não dá para imaginar um Brasil desenvolvido e sem distorções sociais sem contar com a força dos pequenos negócios.

É certo que os grandes empreendimentos geram muita riqueza. Mas, em geral, criam poucos empregos.

Qualquer empresa de grande porte investe mais em tecnologia e mão-de-obra automatizada, para baratear custos. É lógica cruel, imposta por um mundo de economia globalizada e extremamente competitivo.Nas micro e pequenas empresas (MPEs) é que surgem mais vagas de trabalho em todos os segmentos. Atualmente, elas representam 99,2% das empresas formais do país e respondem por 56% da mão-de-obra de carteira assinada.

Apesar do potencial desse mercado, as MPEs ainda enfrentam ambiente hostil à sua sustentabilidade, com excesso de impostos, juros elevados, muita burocracia e dificuldades no acesso ao crédito.Não por acaso, é grande a mortalidade dessas empresas. No Estado do Rio, já atinge quase 50% das micro e pequenas empresas com apenas dois anos de funcionamento. Em três anos, esse índice pula para 60%.

Para sobreviver, o pequeno empresário foge para a informalidade. Hoje, segundo dados do IBGE, existem 10,3 milhões de empresas informais no País. Ou seja, para cada empresa que paga impostos e cumpre as leis trabalhistas, existem duas que não fazem isso.

Mudar esse cenário é questão vital para o País. Fortalecidas e valorizadas, as micro e pequenas empresas podem ajudar no combate à pobreza, diminuir o desemprego e interiorizar o desenvolvimento, reduzindo, assim, o fosso da desigualdade neste país.

Por isso, temos, governo e sociedade, que criar um ambiente favorável às MPEs. E para isso é preciso vontade política. Leis que de fato incentivem o pequeno empreendedor.

Principal motor das aspirações das micro e pequenas empresas, o Sebrae tem procurado apoiar e fomentar discussões para que essa nova situação se torne realidade.

O ano de 2005 pode se tornar um marco na política pública brasileira para o empreendedorismo. Ainda não se sabe o real impacto da aprovação da medida provisória 255/05 nas micro e pequenas empresas, mas trata-se de um passo importante. Feita para desonerar o investimento produtivo de alguns setores da economia, a chamada MP do Bem altera de forma significativa a definição de porte das micro e pequenas empresas e avança no limite de enquadramento tributário.

No caso das classificadas no Simples Nacional, esses limites anuais literalmente dobram, passando de R$ 120 mil para R$ 240 mil de receita bruta com relação à microempresa, e de R$ 1,2 milhão para R$ 2,4 milhões para a pequena empresa.

De fato, será só com a aprovação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas é que daremos início, de forma irreversível, ao processo para pôr fim às distorções históricas que impedem as pequenas empresas de crescerem. Nossos líderes públicos já entenderam que essa lei é importante instrumento de inclusão social, pois trará à tona a economia submersa do setor, incorporando milhões de pessoas ao mapa produtivo oficial.

Também a máquina estatal terá ganho significativo de caixa com a nova legislação. Estudo conjunto do Sebrae com a Fundação Getúlio Vargas, apresentado este mês à Comissão Especial da Microempresa da Câmara dos Deputados, constatou que a Lei Geral poderá aumentar em até R$ 7,7 bilhões a arrecadação tributária anual das três esferas de poder - União, estados e municípios.

Esse ganho tem por base o aumento na formalização, uma das principais conseqüências da aprovação da Lei, e a elevação do pagamento de receitas das empresas já legalizadas, por conta da racionalização e da redução de encargos tributários e do aumento dos incentivos fiscais.

São, portanto, inúmeros os benefícios da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas. Por isso, ela se torna mais do que uma bandeira do Sebrae, mas uma causa brasileira, uma causa de todos.


Destaques da Loja Virtual
CENTRO DE ATENDIMENTO PARA 3ª IDADE

Este perfil tem como finalidade apresentar informações básicas a respeito da abertura de um Centro de Atendimento para 3ª Idade. Serão abordados assun...

De R$8,00
Por R$6,00
Desconto de R$2,00 (25%)