SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 15/12/2005
Autor: Fábio de Souza Abreu
Fonte: Canal Executivo

Como reduzir os custos das empresas e melhorar a saúde dos funcionários

* Fábio de Souza Abreu

Investir em prevenção a fim de melhorar a saúde de seus funcionários e baixar os custos com assistência médica: este é o foco das corporações nos dias de hoje para reduzir as despesas. É cada vez mais freqüente empresas oferecerem aos seus trabalhadores opções que vão desde palestras sobre o tema, academias de ginástica, aulas de dança e shiatsu passando pelo monitoramento especial para portadores de doenças crônicas, até a elaboração de um cardápio balanceado feito por nutricionistas e oferecido, em alguns casos, no refeitório da empresa.

E isso tem uma explicação lógica. Funcionário com boa saúde tem melhor desempenho. Além disso, a empresa consegue reduzir os índices de absenteísmo e os gastos com saúde. Este último item é o que mais pesa numa organização. Pesquisa conduzida pela Mercer Human Resource Consulting revela que 35% das 335 empresas pesquisadas direcionam 9% da folha de pagamento para despesas ligadas à saúde.

O custo com saúde é de fato alto e preocupante para as corporações, tanto para aquelas que trabalham com auto-gestão quanto para as que contratam serviços de uma operadora de saúde. E essa despesa aumenta muitas vezes por conta do uso inadequado do plano de saúde. Embora a empresa ofereça o plano como benefício, falte, talvez, a consciência adequada de seu uso.

É muito comum pessoas fazerem verdadeiras peregrinações em médicos credenciados, ou por não confiarem na avaliação de algum profissional, ou porque são hipocondríacos, ou, ainda, são portadores de alguma doença crônica. Estes últimos acabam resultando nos casos mais alarmantes.

Em situações como essas, uma grande contribuição pode ser dada pela área de Recursos Humanos das corporações: ajudar o funcionário a usufruir seu plano de saúde da melhor forma possível. Uma receita que começa a ser utilizada por algumas empresas é a prática do monitoramento dos pacientes com doenças crônicas, como hipertensão ou diabetes. As companhias ganham de duas formas: na melhora da saúde do profissional e na queda do custo com saúde sem comprometimento da qualidade.

E por que monitorar doentes crônicos? Por dois aspectos. Em primeiro lugar, necessitam de suporte, seja por não saberem gerenciar sua doença, por sua saúde não ocupar o espaço que necessita na sua agenda atribulada ou, pior, não terem consciência de que são doentes ¿ doença crônica, por definição, não tem cura, por isso acham que apenas estão doentes. É comum irem ao médico, tomarem a medicação recomendada e, ao primeiro sinal de melhora da saúde, pararem de tomar os medicamentos adequados. Costumam dizer que já estão curados. Mas, de repente, se sentem mal novamente e retornam a sua peregrinação por pronto-socorros e médicos, ocasionando novas internações, stress na família e faltas ao trabalho.

Por isso, os maiores ganhos com monitoramento vão para o funcionário: maior controle sobre sua saúde ou de seu familiar, suporte de profissionais da saúde que conhecem sua realidade, alívio para a família e, principalmente, recuperação da sua qualidade de vida.

Pelo lado financeiro, os doentes crônicos de risco, embora representem 10% da população que utiliza planos de saúde, são responsáveis por 60% dos custos assistenciais dessas empresas. Precisamos dizer mais?

* Fabio de Souza Abreu é diretor executivo da AxisMed.


Destaques da Loja Virtual
GUIA DO FRANQUEADO: LEITURA OBRIGATÓRIA PARA QUEM QUER COMPRAR ..

O Guia do Franqueado não fala superficialmente de franchising, mas analisa com profundidade como você pode ser bem-sucedido por meio deste moderno sis...

R$38,00