SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 18/12/2006
Autor: Miro Hildebrando
Fonte: A Notícia

O pequeno empresário, esse teimoso...

Até meados da década de 70, acreditava-se no paradigma da grande empresa. Roberto Campos mencionava uma música brasileira (possivelmente um samba) que falava sobre "a grandeza de uma estatal" e, de um modo geral, supunha-se que as pequenas empresas eram ineficientes por definição. Um autor anglo-saxão chegou a escrever que elas eram um amontoado disforme na economia, desmerecedoras de atenção de qualquer política ou iniciativa governamental. As políticas eram orientadas para as grandes e conseguir um emprego em uma delas era símbolo de status.

Até que em 1979 um jovem pesquisador descobriu que as pequenas e médias empresas eram responsáveis pela maior parte dos empregos gerados nos Estados Unidos. Foi um alvoroço geral, especialmente entre os políticos. Os europeus, mais prudentes, acabaram descobrindo a mesma coisa em 1985. Pouco mais tarde, o governo americano criou um órgão somente para atender necessidades de treinamento, consultoria e crédito das micro e pequenas empresas (uma espécie de Sebrae gigante, com 40 bilhões de dólares para gastar).

Como ocorre com freqüência, os brasileiros tomaram conhecimento dessas mudanças com a lentidão habitual, e agora o governo sanciona uma lei beneficiando as micro e pequenas empresas (MPEs) do País (as médias estão fora), assim mesmo para valer somente em julho do ano que vem. Finalmente, acordamos para o fato de que as MPEs são responsáveis por perto de 60% da criação de empregos formais (também são responsáveis pela maior parte dos empregos destruídos, mas o saldo final é positivo) e seu número aproxima-se dos 5 milhões. Não se pode esquecer, também, que grande parte da inovação empresarial está nas MPEs e que hoje em dia as grandes copiam descaradamente sua estrutura flexível e ágil.

Como resposta ao menosprezo geral por parte dos banqueiros e da voracidade fiscal dos governos nos três níveis, as micro e pequenas empresas brasileiras estão maciçamente na informalidade; desempregados, aposentados, auto-empregados e empreendedores organizam seus negócios sem registros, sem estrutura, sem controles, e a grande maioria tem pavor da legislação trabalhista (que nossos sindicalistas simplesmente adoram).

Como se pode ver, damos um bom passo, ainda que tardio, com a criação da lei das micro e pequenas empresas. Mas ainda temos esquecida a média empresa, o absurdo spread bancário de 28%, o crédito orientado para o curto prazo, a indiferença das universidades (que teimam em ensinar como se trabalha na General Motors), a inexistência de um sistema contábil automatizado (que possa ser operado diretamente pelo empresário e que está disponível há muito em outras regiões do planeta) e a anacrônica Justiça trabalhista que supõe, em princípio, que em caso de dúvida o réu é culpado.

A lista continua e vai longe. O passo dado agora é importante, mas não basta. Cabe ao governo fazer algumas reformas essenciais, melhorar a infra-estrutura sucateada, vigiar o mercado e punir abusos, estabelecer marcos regulatórios essenciais e, dizem alguns escaldados, atrapalhar menos.


Destaques da Loja Virtual
EMPREENDEDORISMO NA PRÁTICA

Através da leitura desta obra você conhecerá os vários tipos de empreendedores existentes e entenderá qual tipo está mais adequado ao seu perfil, sabe...

R$35,00