SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 08/03/2007
Autor: Valor Online
Fonte: Valor On-line

Informação corre risco no pequeno negócio

À primeira vista, o quadro parece muito positivo: 90% das pequenas e médias empresas da América Latina usam uma conexão de alta velocidade para navegar na internet e 83% delas garantem ter um plano de ação no caso de alguma emergência em relação à integridade de seus dados. No Brasil, 100% dos gerentes envolvidos em negócios desse porte estão conectados à rede mundial e 96% das companhias disseram sentir-se preparadas para enfrentar as ameaças virtuais. Será?

Para a empresa de software de segurança Symantec, responsável pela pesquisa que apurou esses resultados, a resposta infelizmente é não. "Existe uma grande diferença entre a percepção das empresas e o cenário real", afirma Wilson Grava, vice-presidente da Symantec na América Latina. "A radiografia é alarmante."

Há muitos exemplos dessa discrepância no Brasil, alerta a direção da Symantec. "Quase 100% dos entrevistados no país disseram estar prontos, muito prontos ou razoavelmente prontos (em relação à segurança das informações). Apesar disso, só 42% das empresas fazem cópias de segurança todos os dias, o que é um ponto essencial", diz Sergio Basílio, diretor geral da Symantec no país.

O pior, nesse caso, é que quase um quarto delas - 23% do total - disse fazer cópias de segurança ou backup, no jargão do setor, apenas uma vez por mês. "Imagine se houver uma inundação e a empresa ficar sem os dados de um mês inteiro, incluindo informações sobre vendas, contratos etc. A companhia pode quebrar", afirma Grava.

A análise do levantamento, feito com 474 empresas de cinco países - Argentina, Chile, Colômbia e México, além do Brasil - mostra que mesmo alguns pontos que parecem indicar uma vantagem das empresas brasileiras em relação às dos países vizinhos podem revelar-se preocupantes.

O Brasil é o único país do bloco considerado liberal quanto ao acesso dos funcionários à internet. Enquanto no país mais de três quartos da equipe podem navegar na web sem muitos empecilhos, no México e na Argentina o acesso é limitado a pouco mais da metade dos usuários potenciais. Na Colômbia e no Chile, isso é ainda mais restrito: só 45% deles tem permissão para trafegar na rede.

O problema, dizem os executivos da Symantec, não é a oferta de acesso em si, mas o fato de que muitas empresas que adotam essa posição mais liberal dizem acreditar que a instalação de um sistema de antivírus é suficiente para evitar riscos, sem atentar para outras ameaças.

Muitas simplesmente fecham os olhos para problemas considerados críticos. Um exemplo é que enquanto 43 empresas colombianas e 35 argentinas apontaram como uma ameaça grave a perda de informação por erro humano, no Brasil nenhuma das cem empresas consultadas alegou ter esse tipo de falha.

Em todos os países, as barreiras econômicas foram consideradas o principal fator de restrição ao investimento em sistemas de segurança. Orçamento apertado não é um fator desprezível, mas mesmo empresas que contam com ferramentas de proteção às vezes ficam vulneráveis por não fazer um uso adequado da tecnologia, diz Grava. É o caso de programas antivírus que não são atualizados e de profissionais de tecnologia que se esquecem de fazer periodicamente cópias de segurança. "A conclusão é a de que muitas vezes as barreiras derivam da falta de informação das empresas", diz o executivo.

Para ajudar a corrigir essa falha, a Symantec discute com entidades de classe, como a Fiesp e o Sebrae, a possibilidade de oferecer treinamento na área de segurança, entre outras medidas de apoio.

A companhia americana também quer renovar a pesquisa anualmente, para medir a evolução nessa área. Citando dados da Fiesp, Grava diz que 60% das pequenas e médias empresas fecham em até cinco anos, uma alta taxa de mortalidade.

O plano da Symantec é levantar, na próxima edição do levantamento, quanto dessa taxa de mortalidade é provocada por problemas decorrentes da falta de segurança da informação.


Destaques da Loja Virtual
GESTÃO DE ATIVOS INTANGÍVEIS

As técnicas de mensuração de ativos sempre deram ênfase no passado para determinar o quanto vale o negócio e quanto a empresa pode captar de recursos ...

R$45,00