SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 01/01/2002
Autor: Adriano Gomes
Fonte: Adriano Gomes

Síndrome de Cachorro Preso

Outro dia, um amigo estava me contando sobre as peripécias de seu cachorro.

Segundo ele, desde pequeno o cão sempre viveu com ele em um pequeno apartamento. Num desses feriados prolongados, ele e o cão foram passear num sitio de um amigo. Quando chegaram ao dito sitio, ele abre a porta e coloca o pequeno cachorro no chão. De repente, o animal dispara feito um buscapé e começa a correr sem parar ao redor da casa. Cansado, o cão retorna lentamente até o carro, dá uma olhada na cara de seu dono e pede para entrar no carro. Ele, então, abre a porta do carro e o cão se debruça no assoalho do veículo.

Mas o que tem a ver essa história particular nesta coluna dedicada a negócios ? Parece que tudo. Por analogia, tanto empresas como muitos funcionários estão sofrendo da síndrome do cachorro preso. Como síndrome é um conjunto de características que levam um abalo no estado de saúde de uma pessoa, a tal síndrome do cachorro preso também tem uma série de características, a saber:

Pessoas:
· muito tempo numa mesma função e sem vontade para tentar outros desafios;
· desinteresse em aprender novidades e pensar de modo diferente;
· crença firme que já sabe tudo sobre sua atividade;
· postura arrogante contra pessoas que tentam mostrar novos horizontes;
· acreditam piamente que há uma larga distância entre a teoria e a prática no mundo empresarial.

Empresas:
· falta de instrumentos que possam sondar o mercado e perceber as modificações que este exigirá da empresa;
· teimosia no que diz respeito a modernização de seu pensamento e de sua estrutura (exatamente nessa ordem – primeiro pensamento, depois estrutura);
· enxerga muito mais zonas de perigo do que zonas de oportunidades;
· discurso recheado de melodramas e saudades de um passado que acalentava e proporcionava um colchão de segurança.

E o que acontece quando soltamos a corrente das pessoas e das empresas? As pessoas saem desesperadamente à procura de um emprego. Correm de uma agência de emprego para outra, enviam uns 500 currículos pela internet, ligam para um monte de “amigos” e até chegam ao cúmulo de pagar para empresas do tipo headhunter. Cansado e já sem capital, a pessoa começa a se convencer que perdeu tempo no emprego anterior e não se preparou para o novo cenário. Volta para casa (símbolo de segurança) e tenta passar o filme dos últimos anos em sua cabeça. De duas uma: ou cai numa depressão violenta, ou sacode a poeira e dá a volta por cima. Todavia, a questão permanece: por que a preparação tardou tanto?

Com as empresas ocorre um fato semelhante. Porém, o destino é mais cruel com as empresas. Normalmente elas quebram e saem fora de cena pela via da falência de suas atividades.

Quer seja para pessoas, quer seja para empresas, o fato é que o quanto antes se puder perceber que a síndrome do cachorro preso está em vias de aparecer melhor. Embora ainda não exista uma vacina para proteger contra tal síndrome, alguns procedimentos para evitá-la são importantes. Destacaria apenas dois para iniciar a discussão:

1. Não encare novidades com ar de desprezo e pensando que a mesma não tem a ver com você;
2. Busque, incansavelmente, preparo e conhecimento durante o processo e não depois que o fato ocorreu.

Mesmo com tais cuidados, a síndrome poderá estar contagiando outras pessoas e/ou empresas. Assim, redobre a atenção quando alguém começar a sussurar no seu ouvido coisas como: “isso é bobagem”, “isso é conversa de gente que não conhece a coisa na prática”, etc. Cuidado, eles estão contagiados!.


Destaques da Loja Virtual
O QUE O CLIENTE QUER QUE VOCÊ SAIBA

O livro apresenta uma abordagem prática, porém, radicalmente nova para as vendas e para o desenvolvimento de novos negócios. A estratégia dessa nova a...

R$35,00