SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 01/09/2001
Autor: Mario Persona
Fonte: Mario Persona

Palanque profissional

No minúsculo povoado pouca gente sabia que o governador acabara de chegar. Época de eleição, o prefeito não iria deixar a oportunidade escapar. Improvisou uma comitiva e arrastou o dignitário para a praça. Praça é modo de dizer. Uma ilha de mato. Cercada de ruas de terra por todos os lados.

Um caminhão estacionado ganhou seus quinze minutos de fama ao virar palanque. Enquanto mãos generosas ajudavam a alçar quase cem quilos de governador até a carroceria, meninos descalços, seguidos por seus cães, corriam chamar a elite latifundiária. Que, naquela hora da manhã, se debruçava sobre as mesas de sinuca nos bares das poucas esquinas.

Para alegria dos carrapichos, barras de calças e saias logo acariciavam o mato da praça. Alegria que durou pouco, pois o prefeito parecia querer testar a suspensão do caminhão. Quem era importante tinha de estar no palanque. Quem não era, ficava importante na hora. Agricultor virava fazendeiro e costureira empresária. Valorizar o eleitorado garantia votos.

Políticos sabem fazer marketing. Sabem falar, sabem criar redes de relacionamento, encantar parceiros e influenciar influenciadores. Podemos aprender com eles, se soubermos identificar o que é técnica e o que não passa daquela baba demagógica com a qual alguns molham a gravata.

O discurso relâmpago é algo que você pode usar. Um mero "Será que chove?" escutado no elevador pode abrir caminho para um script do tipo "Se chover não vou poder entregar o notebook que meu cliente encomendou". "Você vende notebook...?" Desça no mesmo andar de quem perguntou.

Enquanto políticos gastam milhões com papel, você pode criar seu próprio jornal na Internet. E promover seu nome, atividade, empresa ou produto, sem gastar. Criando um site e boletins enviados por e-mail a assinantes. De graça, é claro. A menos que você escreva mal. Aí, de graça é caro.

Ainda que comece com meia dúzia de assinantes, pode chegar a dez mil, o total das duas newsletters que publico. Com direito a retransmissão. Os leitores viram seus aliados quando enviam o boletim aos amigos. Eu os incentivo com uma mensagem no início: "Informação livre. Copie, imprima, distribua, envie por e-mail, carta, fax, rádio, TV ou pombo correio."

É possível que sites, jornais e revistas acabem publicando seus artigos. Alguns publicam até crônicas como esta! Foi assim que ganhei espaço em quase uma centena de veículos. Mas isto não funciona para textos publicitários. É preciso compartilhar conhecimento, como faço aqui. Ou melhor. A publicidade fica por conta de seu nome atrelado ao que escreve.

Palestras e eventos são excelentes para seu marketing pessoal. Além do networking e troca de cartões nos intervalos, o espaço para perguntas forma um palanque à parte. Formule uma pergunta inteligente, peça o microfone, respire fundo e anucie, com voz clara e muito charme, o seu nome e empresa. Não se esqueça de fazer a pergunta.

Como palestrante, posso garantir que perguntas não incomodam. Até ajudam o palestrante, principalmente se você perguntar quais serviços ele presta e como contratá-los. Mas evite a todo custo criar polêmica ou desmoralizar o preletor. Principalmente se ele for eu.

Tenha sua marca pessoal. Pode ser um sotaque, como o meu. Era caipira, mas hoje é chamado country. O modo de vestir, a gravata ou a falta dela, ou uma caneta diferenciada ajudam. Um publicitário que detestava gravata foi obrigado a usá-la. Como não falaram nada sobre o nó, visitava os clientes com a gravata apenas pendurada no pescoço. Virou sua marca pessoal. Era dele que os clientes se lembravam quando pediam uma visita.

À medida que seu círculo de relacionamentos for crescendo, será importante fazer aos outros o que gostaria que fizessem a você. Por exemplo, indicá-los para trabalhos, divulgar seus nomes, valorizá-los como profissionais. E se foi com a ajuda deles que você chegou ao palanque profissional que hoje ocupa, convide-os a subir.

Mas não exagere, como o prefeito. Em seu afã de colocar cada habitante no caminhão-palanque, deixou com torcicolo o governador. Que precisou discursar, olhando por cima dos ombros, para uma carroceria apinhada de gente. Pois na praça só ficaram os meninos e os cães. Além dos carrapichos.


Destaques da Loja Virtual
EMPREENDEDORISMO NA VEIA

Poucos são os negócios que duram muito. E vários são os exemplos de negócios que cresceram rapidamente para, no final, afundarem com a mesma velocidad...

R$45,00