SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 17/12/2002
Autor: Expansión de Madri
Fonte: Gazeta Mercantil

Retração empresarial favorece o surgimento de pequenos negócios

A redução dos investimentos, a maior concentração no principal negócio e a diminuição de novas iniciativas empresariais de grande porte deixam segmentos de mercado a descoberto, que "podem ser aproveitados por pessoas dispostas a criar sua própria empresa", afirma Juan Pablo Lázaro, presidente da Confederação de Jovens Empresários, da Espanha.

Lázaro, que também é fundador da empresa de transportes ASM, declarou que "para montar uma firma, o fundamental não é ter uma grande idéia, mas sim conhecer o mercado e o negócio."

Consciente de que é um homem ativo que "não consegue ficar parado", conforme diz, Lázaro considera a inércia um dos principais problemas das companhias. "O mal empresarial endêmico é o medo de tomar decisões", comenta.

"A falta de iniciativa é muito pior que errar. Quando se comete um engano sempre se pode retificá-lo, mas, se as pessoas não se atrevem a avançar, podem estar deixando escapar grandes oportunidades."

Lázaro despontou no mundo profissional com 23 anos, ao criar a ASM. Em 1998, a Aguas de Barcelona comprou uma participação de 80% da empresa, da qual ele continua como presidente executivo. Durante sua vida profissional Lázaro recebeu vários prêmios, como o de Criação de Emprego da Comunidade de Madri, em 1996, e o de Jovem Empresário, em 1997.

Vocação necessária

Sua grande paixão, entretanto, são as sociedades. "O dia-a-dia da empresa exige muita especialização e as sociedades e alianças permitem não perder essa perspectiva e também enriquecem o ser humano, porque sempre existe outro disposto a ajudar em áreas que domina melhor."

De fato, Lázaro não acredita no líder individualista, mas sim em pessoas capazes de motivar seus companheiros. "Nunca vi uma criança que, ao nascer, trazia impresso na testa a palavra "empresário", porque o líder no mundo dos negócios não nasce feito, e precisa de gente ao redor que o ajude a tirar o melhor de si mesmo", diz ele. Entretanto, o executivo reconhece que, para ser empresário, "é necessário o mínimo de vocação."

O líder de grupo, conforme Lázaro o vê, precisa de algo mais que iniciativa para montar uma empresa. Assim ele descreve o perfil ideal do empreendedor: "Deve ter experiência no negócio, conhecer os trâmites burocráticos, e saber como funciona o mercado. Porém , acima de tudo, necessita ter a capacidade de descobrir lacunas não preenchidas", afirma.

"O momento atual é bom para criar uma empresa. Em épocas de recessão, as companhias tendem a congelar os investimentos, centralizam-se em seus nichos de negócio e não se atrevem a tomar decisões. Os empreendedores devem aproveitar essa oportunidade para se introduzir em segmentos que estão a descoberto. O negócio não vem ao seu encontro. É você quem deve procurá-lo," declara.

Flexibilidade

"Mas também não basta encontrar uma oportunidade. É necessário saber construir uma estrutura competitiva. Os diretores são pagos para pensar, não para trabalhar muitas horas nos escritórios. Portanto, precisam ser capazes de criar empresas onde o importante sejam os resultados."

Com esse discurso, Lázaro deseja demonstrar que a palavra-chave para as empresas modernas é "flexibilidade."

"Quando se nasce em momentos de crise, se é obrigado a ser mais ágil, evitando ficar atrelado à burocracia e às tradições, empecilhos que atrasam a tomada de decisões. A rapidez é uma grande vantagem competitiva dos empreendedores, que devem manter-se sempre na dianteira."

Lázaro dá o exemplo das viagens de negócios para explicar essa idéia. "O que é melhor? Viajar com muitas malas e pouco dinheiro ou o inverso? Sempre prefiro a segunda opção: não me carrego com peso, e portanto não me preocupo em ser roubado. Em contrapartida, fico tranqüilo porque posso comprar o que necessito."

Construção da lealdade

Esse tipo de flexibilidade deve se impor na empresa. "Quando um grupo empresarial está dando os primeiros passos, deve ter o mínimo possível imobilizado. Em troca, necessita contar com uma cultura de intercâmbio e mobilidade." Para manter esse alicerce, é preciso uma grande atenção no quadro de funcionários, diz o executivo. "A formação e comunicação são fundamentais para construir a lealdade dos empregados," explica.

"O ritmo atual de trabalho é tão intenso que, se o empresário não se preocupa que seus funcionários se adaptem aos novos tempos, eles acabam estagnados," diz o executivo da ASM.

"Além disso, investir nos funcionários redunda em um melhor ambiente de trabalho. As pessoas se dão conta que são importantes para a empresa e isso as motiva", finaliza Lázaro.


Destaques da Loja Virtual
ACADEMIA DE GINÁSTICA

Este perfil tem como finalidade apresentar informações básicas a respeito da abertura de uma Academia de Ginástica. Serão abordados assuntos relaciona...

De R$8,00
Por R$6,00
Desconto de R$2,00 (25%)