SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 09/06/2003
Autor: Gabriela Gemignani e Rafael Ribela
Fonte: O ESTADO DE SÃO PAULO

Talento transforma desempregado em patrão

Aptidão para os negócios pode ajudar na abertura de estabelecimento comercial próprio.

O desemprego é um dos grandes fomentadores do empreendedorismo no Brasil. De acordo com um levantamento realizado pela consultoria BPI, cerca de 25% dos desempregados que participam dos projetos de recolocação profissional desenvolvidos pela empresa abrem o seu próprio negócio. "Com a economia em recessão, temos bons profissionais sem emprego. O negócio próprio é uma alternativa de volta ao mercado, alternativa de emprego", afirma o presidente da Associação Brasileira de Franchising, Gerson Keila. Segundo ele, este é o perfil de maior procura por investimentos em franquia.

Segundo dados do SebraeSP, 71% das empresas encerram suas atividades antes de concluírem o quinto ano de atividade. Os principais fatores que afetam a mortalidade são: o tempo e a qualidade do planejamento feito antes da abertura, a dedicação à empresa no primeiro ano do negócio, a gestão do negócio (em especial a administração do fluxo de caixa), o aperfeiçoamento do produto/serviço às necessidades do mercado consumidor e a conjuntura econômica.

Para evitar esse tipo de problema, especialistas advertem que o ponto de partida para quem pretende montar uma empresa é o planejamento. A escolha certa do ramo também é fundamental. O ideal recomendado é que a nova atividade tenha alguma ligação com a experiência do empreendedor, tanto pelos contatos no mercado quanto pela familiaridade com o assunto.

Um plano de negócio bem elaborado é parte fundamental para o futuro empresário "O plano de negócio é uma simulação do funcionamento da empresa. Dentro dessa elaboração deve-se fazer uma pesquisa de mercado, mesmo que informal, para identificar o potencial desse setor na região definida, o público-alvo em questão é a viabilidade do negócio em termos financeiros", afirma o consultor de Marketing do Sebrae-SP Wlamir Bello. Segundo ele, essa prática inicial não garante que o negócio será bem sucedido, mas, sem dúvida, indica o melhor caminho a ser seguido.

Consultas - O Sebrae-SP oferece palestras semanais gratuitas em todas as suas unidades para quem deseja saber o básico para se tomar um empreendedor. Quem quiser, também pode agendar horários com os consultores da .instituição, para receber informações e dicas de como abrir a própria empresa. "Fornecemos todas as orientações para quem nunca administrou um negócio", explica o consultor do Sebrae-SP Júlio César Durante.

Segundo ele, o tempo necessário para abrir legalmente uma empresa varia entre 20 e 30 dias, com o auxílio do sistema Fácil, do Sebrae. Nesse prazo, é possível fazer o registro na Junta Comercial e na Receita Federal, faltando apenas o registro na Prefeitura e o alvará de funcionamento.

"Mas essa etapa deve ser realizada somente depois de concluído todo o planejamento, que deve durar pelo menos seis meses", alerta Durante. "A possibilidade de insucesso é grande quando há pressa para colocar a empresa em funcionamento."


SERVIÇO:

As inscrições para as palestras e o agendamento de consultas técnicas podem ser feitos pelo telefone 0800-78-0202. Outra opção oferecida pelo Sebrae é o curso Iniciando um Pequeno Grande Negócio, ministrado gratuitamente pela internet, por meio do site www.sebrae.com.br . Lá, é possível fazer um planejamento passo-a-passo do futuro empreendimento, trocar experiências via e-mail com outros participantes e esclarecer as dúvidas com consultores.


PARA TER O PRÓPRIO NEGÓCIO

Antes de abrir a empresa, o empreendedor deve:

- Optar por uma área que goste e conheça.
- Observar a viabilidade econômica do projeto (se possui recurso suficiente para abrir o negócio e sabe quanto e preciso investir).
- Fazer uma análise de mercado: qual o melhor local para aquele ramo, quem são os concorrentes, qual o retorno financeiro esperado.
- Elaborar um plano de negócios, com fornecedores, perfil da clientela e lay-out do empreendimento.

Se depois de analisar esses fatores o empresário concluir que a atividade é viável, inicia-se o processo burocrático:

- Verificar se o estabelecimento está de acordo com lei de zoneamento na Administração Regional ou prefeitura.
- Elaborar Contrato Social e registrá-lo na Junta Comercial, no caso de empresas mercantis, ou Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, no caso de prestadoras de serviços.
- Solicitar cadastro no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da Receita Federal no site www.receita.fazenda.gov.br .
- As empresas mercantis deverão solicitar pelo site www.pre.fazenda.sp.gov.br sua inscrição estadual.
- Fazer o registro na prefeitura.
- Solicitar Alvará de Funcionamento.
- No caso das empresas do setor de alimentos, registrar-se junto à Vigilância Sanitária.

Dicas para manter o negócio:

- Ser persistente.
- Ser criativo.
- Buscar constantemente alternativas para o crescimento do seu negócio.
- Estar ligado a tudo o que diz respeito à sua atividade.
- Manter contato constante com os clientes, buscando oferecer produtos que atendam às suas necessidades e anseios.


Destaques da Loja Virtual
CENTRO DE ATENDIMENTO PARA 3ª IDADE

Este perfil tem como finalidade apresentar informações básicas a respeito da abertura de um Centro de Atendimento para 3ª Idade. Serão abordados assun...

De R$8,00
Por R$6,00
Desconto de R$2,00 (25%)