SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 15/07/2003
Autor: Diário do Comércio & Indústria
Fonte: DCI

Suíno caipira é opção para pequeno

As raças de suínos conhecidas como caipiras e chamadas de naturalizadas —trazidas da Europa na época da colonização e, criadas por meio do sistema de semiconfinamento— podem reduzir os custos de produção em mais de 50%.

Mas os ganhos não param por aí. Em média, o preço do quilo da carne desses animais é 30% superior, por ser considerada exótica, como a de javali, que custa de R$ 9 a R$ 12 por quilo. Somente em São Paulo são consumidas cerca de 80 toneladas de carne de javali por mês.

Esse tipo de criação é ideal para os pequenos produtores. Para se ter uma idéia, apenas no Distrito Federal, onde a atividade é mais difundida, existem mais de 1,8 mil pequenos criadores, com um plantel da ordem de 29 mil animais.

Os porcos naturalizados ou caipiras —monteiro, caruncho e nitlo— são mais resistentes: portanto, os cuidados e gastos com vacinas são inferiores aos das raças norte-americanas e européias recentemente trazidas para o País, segundo o técnico da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa–Recursos Genéticos e Biotecnologia), Paulo Euler Pires.

Além disso, o sistema de criação ao ar livre (Siscal) —desenvolvido pela Embrapa Suínos e Aves— permite a engorda do animal sem a utilização de rações convencionais, como milho e soja. Toda a alimentação é composta por restos de comida e legumes e verduras.

“Apesar da alimentação desregulada, os animais não engordam, pois vivendo soltos se movimentam e criam uma carne mais tenra, com baixo teor de gordura. Além disso, os animais comem muito capim”, afirma o pesquisador da Embrapa.

Segundo dados da Embrapa, o custo de manejo desse tipo de animal criado em sistema de semiconfinamento é de aproximadamente R$ 300 por matriz.

Esse tipo de alimentação, segundo Pires, também pode ser utilizado com os suínos de granja, desde que tenham espaço para se movimentar.

O sistema recomenda que seja disponibilizada uma área de 800 metros quadrados para cada animal. Além disso, o terreno deve ser forrado de capim com árvores grandes para que os animais possam se abrigar do sol.

A proliferação de churrascarias torna a criação economicamente viável —além do apelo saudável, pois a carne tem sabor suave e baixo teor de colesterol.

Notoriedade

Recentemente, o porco monteiro —um dos mais utilizados pelos pequenos produtores que adotaram o sistema da Embrapa— ficou conhecido depois que sua carne foi servida em um churrasco oferecido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva a governadores. A iguaria foi levada pelo governador de Mato Grosso do Sul, Zeca do PT.

Segundo especialistas, o porco monteiro é um animal comum que, desde a época da colonização, aprendeu a viver solto na natureza, consumindo raízes, frutos, insetos e até moluscos.


SETOR PASSOU POR UM PERÍODO DE CRISE COM ALTA DOS INSUMOS

No ano passado, a suinocultura nacional atravessou uma forte crise com a desvalorização do real perante o dólar, o que elevou o preço do milho —que representa 60% dos gastos de produção— e contribuiu para uma diminuição do plantel no País, que se deparou com uma baixa nas cotações do animal, cujas carcaças ficaram com peso abaixo da média.

Apenas no Estado de São Paulo, a crise do milho, em 2002, provocou a redução do plantel paulista de suínos em 12%, se comparado com a produção registrada em 2001, segundo dados da Associação Paulista dos Criadores de Suínos (APCS).


Destaques da Loja Virtual
TURISMO ESPORTIVO - V.3

O turismo esportivo é um produto que vem tomando significativo impulso nas últimas décadas, sendo assim, neste livro será abordado algumas vantagens, ...

R$10,00