SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 25/05/2004
Autor: Sebrae
Fonte: Sebrae

Empresas têm que cumprir 107 obrigações para abrir, funcionar e fechar

Para começar a operar, manter-se em funcionamento e, em certos casos, fechar um pequeno negócio, o empreendedor tem que cumprir no mínimo 107 obrigações fixas, fora as que podem ser geradas a partir delas.

Esse foi o exemplo utilizados pelo consultor do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), André Spínola, para mostrar a importância da aprovação, o mais rápido possível, da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas aos participantes do Workshop sobre Simplificação e Racionalização do Registro e da Legalização de Empresas, promovido na última semana pelos ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em Brasília.

André tomou por base levantamento realizado pelo Sebrae, concluído em fevereiro último, que fez o “Mapeamento de Obrigações Legais da Micro e Pequena Empresa” no País. “São 55 obrigações para a empresa entrar em funcionamento, mais 41 para funcionar normalmente, além de 11 para fechar”, explicou.

Entre as obrigações para a empresa começar a operar ele relacionou 10 livros entre fiscais, comerciais e trabalhistas; quatro números diferentes de identificação da empresa; sete inscrições e matriculas da mesma empresa em diversos órgãos como Receita federal e estadual; 16 registros e controles trabalhistas. "Isso afora caixa diário e uma rotina que envolve datas diversas para o cumprimento dessas obrigações”, completa.

Além das 41 obrigações para a manutenção da empresa, como pagamento de tributos, André relacionou mais 29 normas de saúde e segurança do trabalho como o PCMSO (Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional) e o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais).

No caso das 11 obrigações para fechar o empreendimento, como baixa na Junta Comercial e certidões negativas de débito tributário, o consultor lembrou que especialmente as relativas a tributos podem gerar outras obrigações.

“Dependendo do caso e da interpretação, o pedido de uma certidão negativa do INSS pode acarretar outras demandas como controle social, comprovante de pagamento de tributos e bloco de notas fiscais”, exemplificou.

De acordo com André Spínola esses problemas serão resolvidos com aprovação da Lei Geral, prevista pela Constituição a partir da reforma tributária aprovada pelo Congresso, em dezembro do ano passado. Entre os mecanismos que serão abrangidos pela Lei estão o cadastro único para o registro das empresas e a criação do Supersimples, que institui o regime unificado de recolhimento de tributos.

“Essa lei é importantíssima, porque vai reorganizar todo o cenário burocrático ao qual as micro e as pequenas empresas estão sujeitas, de forma que as obrigações possam ser racionais, sistêmicas, leves e progressivas; ou seja, cumpríveis”, afirmou.o consultor.

Em outubro do ano passado, o Sebrae articulou a realização, em todos os estados, de seminários para recolhimento de subsídios à elaboração de um anteprojeto da Lei Geral. As sugestões apresentadas pelos participantes foram sistematizadas e estão servindo de base a uma minuta que será discutida com o Executivo, Legislativo e com entidades representativas do segmento dos pequenos negócios. O trabalho de articulação do Sebra tem por objetivo incluir a Lei Geral ainda na pauta legislativa deste ano.


Destaques da Loja Virtual
COMO TRANSFORMAR SEU TALENTO EM UM NEGÓCIO DE SUCESSO

Este livro foi elaborado especialmente para aquelas pessoas que sonham em ter o próprio negócio mas não sabem como fazer para ter sucesso. Nele, a au...

R$45,00