SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 11/02/2005
Autor: Folha de S. Paulo
Fonte: Folha de S. Paulo

Entenda a nova Lei de Falências

A nova Lei de Falências, sancionada nesta quinta-feira pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, substitui a concordata pela recuperação judicial. Pela lei anterior, vigente desde 1945, o empresário em dificuldades entrava com o pedido de concordata para ganhar tempo e tentar negociar suas dívidas.
No entanto, esse instrumento não era flexível o suficiente a ponto de permitir que uma empresa saísse do vermelho e voltasse a funcionar normalmente. Na prática, portanto, o instrumento funcionava para que a empresa se preparasse para a falência.

Agora, com a recuperação judicial, os empresários poderão negociar com os seus credores o parcelamento e o prazo de pagamento de suas dívidas. Caso não consiga de forma amigável acertar prazos razoáveis para todas as partes, o processo será supervisionado por um juiz.

Nesse processo de recuperação judicial, a empresa terá 180 dias para sair do vermelho e contará, para isso, com um comitê de recuperação, composto por empregados, credores e controladores. Se todas as possibilidades para a recuperação da empresa forem esgotadas sem sucesso, os credores poderão entrar com o pedido de decretação de falência da empresa.

Caso a falência da empresa seja realmente irreversível, a lei permitirá a negociação de prazos para o pagamento das dívidas e estabelece que os empregados terão preferência no pagamento de salários atrasados e direitos trabalhistas no limite de 150 salários mínimos.

A lei anterior não definia uma limitação para os créditos dos trabalhadores, o que, de acordo com os parlamentares envolvidos na discussão da nova lei, levava empresários a contratar "empregados-laranja". Assim, todas as dívidas trabalhistas eram pagas a esses contratados e o dono da empresa recuperava todo o dinheiro de volta, deixando para trás dívidas com bancos, fornecedores e com o governo.
Depois de pagar as dívidas com os funcionários, a empresa terá de saldar suas contas com os bancos --também uma inovação da lei sancionada hoje. Com isso, o governo espera conceder mais garantias às instituições financeiras na hora de fornecer empréstimos a empresários.

Os senadores, responsáveis pela inovação, esperam a redução do custo das operações de crédito, o chamado spread bancário. Por fim, na ordem de prioridade, aparece o governo e o pagamento pelas empresas das dívidas em impostos e contribuições.
Terminado o processo de pagamento das dívidas, um outro grupo interessado pode comprar a massa falida e renovar as atividades da empresa. A marca seria mantida e empregos poderiam ser preservados. Para facilitar esse processo, a nova lei define que os compradores não são obrigados a honrar as dívidas fiscais deixadas para trás pelo antigo empresário. Quem pagar para ficar com os negócios já encontrará uma empresa saneada.


Destaques da Loja Virtual
PLANO DE MARKETING PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA

Dirigido aos estudantes e profissionais de micro e pequenas empresas que necessitam elaborar planos de marketing para seu aprendizado ou condução de s...

R$30,00