SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 20/04/2005
Autor: Jornal do Commércio
Fonte: Jornal do Commércio

Loja de segunda mão exige cuidados

Novo proprietário deve analisar motivos que levaram o dono antigo a sair

A compra de um empreendimento já em funcionamento pode parecer, a primeira vista, um bom negócio por já trazer a reboque fornecedores, clientes, ponto, etc. O empreendedor, no entanto, deve ter atenção, pesquisando os motivos que levaram a troca de proprietários. Essa é uma das formas de evitar surpresas desagradáveis.

O analista de sistemas Francisco Mattos sempre atuou na área de Tecnologia da Informação, até que decidiu abrir seu próprio negócio. Por um ano, percorreu shoppings do Rio e Niterói, buscando um ponto onde poderia aplicar seu capital. Encontrou a Crack Chicken, restaurante em funcionamento no Bay Market, em Niterói, e assumiu o empreendimento em setembro.

- Optei por um negócio já montado porque poderia começar imediatamente e ter retorno imediato do capital investido. Além disso, não havia necessidade de obras, já que as instalações estavam em funcionamento, e existia uma equipe treinada e clientes fidelizados - explica.

Mattos percebeu que havia necessidade de algumas modificações, principalmente no cardápio. Após a realização de uma pesquisa com os clientes, aumentou a oferta de cardápio com petiscos, pizzas e planeja servir massas de fabricação própria. "O ponto foi definitivo para minha escolha, por estar localizada ao lado dos cinemas", conta. A mudança tem sido percebida pelos freqüentadores, pela inclusão de novos produtos, pela mudança no modo de atender.

- O empreendedor deve pesquisar a situação financeira da loja antes de fechar negócio. Uma desvantagem é ter que reverter hábitos que poderiam afastar clientes, mostrar que a nova direção tem outro comportamento - avalia Mattos.

Conhecer a rotina
Além da situação financeira, outro ponto que o empreendedor deve ter em mente é conhecer a rotina da loja. Esta foi a estratégia adotada por Luiz Augusto Martins, proprietário da loteria Encontro com a Sorte, no Shopping Tijuca, desde a segunda semana de dezembro.

- Antes de fechar negócio, vinha várias vezes ao shopping para observar a loja, com olhos de cliente. Assim, consegui perceber o que gostaria de mudar quando adquirisse o ponto - lembra.

Pela falta de experiência, Martins optou pela compra de um negócio já em funcionamento. O arquiteto tinha esta idéia desde 2000, quando procurou a Caixa Econômica, responsável pelo licenciamento das casas lotéricas, para a aquisição de outra loja em funcionamento.

Para aprender mais sobre a loja e o segmento, Mattos manteve a equipe. As principais mudanças até agora serão externas, com novos avisos de premiações, melhorando o marketing da empresa. "Criamos uma caixa de sugestões também, para ouvir as necessidades dos clientes".

A consultora Elena Sforza, líder da Ponto de Referência Consultoria no Espírito Santo, conta que comprar uma loja já em funcionamento é uma opção feita por quem não tem experiência no assunto. "Pensam que por já estar no mercado, será mais fácil de obter retorno", diz.

Avaliar o ponto
Isso não dispensa que avaliação do ponto comercial, histórico da empresa, carteira de clientes, vizinhos, situação na junta comercial são os pontos seguintes, que já devem ser avaliados, não importa o empreendimento.

Se todos os pontos estiverem positivos, é um negócio interessante e lucrativo, pois queima etapas. Ao criar novas estratégias de direção da loja, o empreendedor deve realizar uma pesquisa, mesmo que informalmente, com clientes e funcionários, para identificar necessidades e desejos. Os vendedores são peça importante na reestruturação da empresa, são considerados os "ouvidos" da empresa.


Destaques da Loja Virtual
DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL - TREINAMENTO EM GRUPO

A obra apresenta modificações que ampliam sua flexibilidade operacional como obra "multiuso" em contextos variados, o que possibilita sua aplicação ar...

R$29,00