SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 15/07/2005
Autor: Estado de São Paulo
Fonte: Estado de São Paulo

Para que o trabalho não vire um martírio

Pessoas que trabalham em excesso podem desenvolver mais insegurança e ter problemas de saúde. É preciso saber lidar com isso.

Alguma vez você já pensou que a solução para dar conta de tanto trabalho seria ter outro par de mãos ou um dia com horas a mais? Como sabe que isso não é possível, você trabalha em excesso e até leva tarefas para casa. Esse exagero, causado pela falta de recursos e tempo, tem também uma causa psicológica, além de poder gerar problemas de saúde. Às vezes, um momento de descanso ajuda a aumentar a produtividade no escritório e o bem-estar em casa.

Um estudo feito pelas psicólogas Mila Motomura e Fabiana Takiuti mostrou os motivos mais comuns que levam algumas pessoas a trabalhar além do horário (veja o perfil dos analisados). Cerca de 50 clientes analisados apresentaram traços de insegurança, perfeccionismo, competitividade, medo de grupos e acúmulo de funções. E muitos deles mostraram mais do que uma dessas características.

"Percebemos que as pessoas estavam trabalhando demais e esquecendo das atividades pessoais", disse Mila. "Elas querem mostrar eficiência com medo de perder o emprego e assumem mais do que delegam. Alguns não confiam no colega. Ou levam o trabalho para casa porque não está bom e só param quando apagam de sono". Ela diz que mais de 60% dos executivos com altos cargos não conseguem parar de trabalhar ao chegar em casa e 30% é um número alto para outros empregos.

No mundo corporativo de hoje é difícil planejar e manter o equilíbrio por causa do excesso de trabalho e de demandas de última hora. Assim, a pessoa aumenta sua jornada. Isso causa ansiedade, stress, insônia e instabilidade. E esses sintomas podem levar a problemas maiores.

"PRESENTEÍSMO"
O presidente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV), Alberto Ogata, diz que um fenômeno chamado de "presenteísmo", em que as pessoas vão trabalhar mas não conseguem produzir, é a preocupação atual. "Quando o empregado é sobrecarregado, tem crise de enxaqueca, sinusite, alergias e gastrointestinais", explica Ogata, que também é médico.

O corpo responde quando se está trabalhando demais, mas muitas vezes é difícil perceber que isso pode ser algo psicológico. "A pessoa faz de forma automática e não percebe. A ajuda de um colega é importante e o principal é ter consciência de que algo está errado."

Além de fatores psicológicos, há aqueles que não conseguem se organizar. Para o consultor organizacional Eduardo Carmelo, de 36 anos, isso acontece porque as pessoas trocam o que é importante pelo que é urgente. "Com dez coisas para fazer, se toca o telefone ou chega um e-mail, ele deixa a tarefa importante para se dedicar à urgente."

Nesse quadro inclui-se também a responsabilidade da empresa. Carmello diz que redefinir a forma de fazer as coisas é uma boa solução.
Além da necessidade de organização, todo mundo tem um limite e precisa de repouso. "O equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal é muito importante", diz Ogata. Mesmo assim, de acordo com Mila, a prioridade é a profissão. "Segundo o estudo, a vida pessoal está lá em baixo, está bem depois de educação, que é o segundo lugar."

PERFIL
59% Têm Complexo de Zeus-querem sempre estarem primeiro lugar.

45% São inseguros e acham que o trabalho nunca está bom o suficiente.

36% Têm Complexo de Atlas-querem levar o mundo nas costas.

22% São perfeccionistas.

9% Têm Complexo de Eremita- pavor de trabalho em equipe e reuniões.

'Eu pegava mais trabalho para ter reconhecimento'
ALESSANDRA MOURA: Com 24 anos, a coordenadora de eventos fez terapia e ioga para controlar seu perfeccionismo. Trabalhava 17 horas por dia e chegou a ter herpes de tanto estresse. "Tinha um problema de auto-estima. Eu pegava um número maior de trabalho para ter reconhecimento e preencher o tempo",disse.

'Minha mulher achava que eu não gostava mais dela'
RAUL CHRISTIANO: o superintendente de Comunicação, de 46 anos, não parou de levar trabalho para casa mesmo depois de um enfarte. Mas, hoje, valoriza mais a família e faz caminhadas na praia "Minha mulher achava que eu não gostava mais dela", contou. "Ainda carrego trabalho para casa, por vício, mas não faço nada."

PARA ALIVIAR A ROTINA
GERENCIAR VALORES: Desenhe num papel três colunas. Uma de tarefas; outra de tempo gasto para cada trabalho; na terceira, coloque a energia gasta em cada tarefa, com um sinal de positivo ou negativo. No final do dia, faça um balanço das três colunas. No dia seguinte, tente equilibrar o tempo e a energia gastos em cada trabalho.

CURTA A VIDA PESSOAL: Não leve trabalho para casa. Administre seu tempo. Acrescente seus sonhos numa na lista de coisas a fazer.

SEJA PACIENTE: Saiba lidar com as diferenças, pois nem todos são iguais. E não seja exigente demais consigo nem com os outros.

APRENDA A DIZER NÃO: Não seja perfeccionista ao extremo. Isso o impede de ser flexível e criativo.

PRAZOS: Defina objetivos que você imagina difíceis e estipule prazos-curto, médio e longo.


Destaques da Loja Virtual
EMPREENDEDORISMO NA PRÁTICA

Através da leitura desta obra você conhecerá os vários tipos de empreendedores existentes e entenderá qual tipo está mais adequado ao seu perfil, sabe...

R$35,00