SEBRAE/SC - Artigos para MPE's

 
  Data Inclusão: 18/07/2005
Autor: Gabriel Luiz Oliva Perez
Fonte: DIÁRIO DE SÃO PAULO

Empreendedorismo e a solução para o desemprego

No último Global Entrepreneuship Monitor (pesquisa que avalia a atividade empreendedora), o Brasil aparece como sétimo país mais empreendedor do mundo. Ostentamos o impressionante índice de um empreendedor a cada oito habitantes, superando até mesmo os Estados Unidos, que contam com índice de um para dez. Motivos para comemoração? Nem tanto. Mais do que indicativo do veio empreendedor da nação, este resultado é reflexo do elevado índice de desemprego do Brasil, cerca de 12% da população. Sem alternativa, milhões de pessoas se lançam em pequenos empreendimentos por necessidade, sem qualquer senso de oportunidade de negócios, somando 50% dos empresários. Não é, portanto, de se espantar que, no País, a maioria dos novos empreendimentos feche as portas antes de completar cinco anos de , atividade.

Embora muitos insistam em culpar impostos, falta de acesso ao crédito e outros fatores externos como principal causa dessa preocupante estatística, o real motivo do alto índice de insucesso dessas empresas é ausência de capacitação de quem os gerencia. Nossos empreendedores têm educação básica limitada. Cerca de 30% deles têm apenas quatro anos de estudo, e pouco preparo para iniciar um negócio. A maioria não realiza planejamento, mede o desempenho do negócio de forma precária e raramente possui experiência no setor em que pretende atuar. Além disso; a maioria dos empreendedores tem baixa perspectiva de crescimento: apenas 39 % querem gerar mais do que dois empregos e 10% visam exportar. Se,considerarmos que 96% dos postos de trabalho criados provêm de novos empreendimentos e que as grandes empresas, na busca por produtividade, têm reduzido gastos com mão-de-obra, é impossível pensar em uma solução para o desemprego sem olhar para os nossos pequenos empreendedores. Mas, para garantir que esses empregos tenham vida longa e se multipliquem, é necessário fazer tom que tais empreendimentos prosperem.

Precisamos de empreendedores capacitados, inovadores e com visão de crescimento.

Para tanto, é necessário levar conhecimento para aqueles que já estão empreendendo, bem. como preparar e estimular pessoas qualificadas a seguirem esse caminho, algo que não vem acontecendo.

Hoje, nos centros de excelência para formação de profissionais, a grande maioria dos jovens sonha em seguir uma carreira de sucesso como executivo de uma grande multinacional. São raríssimos os casos daqueles que sonham em ser empreendedores. Isto porque não existe, ainda, efetivamente uma cultura empreendedora no País.

Nas universidades, pouco se aborda a realidade de se criar e administrar um negócio próprio.

O Instituto Empreender Endeavor é uma entidade sem fins lucrativos' que tem se destacado por atuar na raiz do problema do desemprego no Brasil.

A organização se propõe a melhorar a qualidade dos novos empreendimentos brasileiros, de modo que eles possam gerar empregos.

Por meio de uma rede de mais de 400 executivos voluntários de alto nível, a Endeavor oferece suporte estratégico para empreendedores emergentes, inovadores e de grande potencial, aprovados em rigoroso processo de seleção. O objetivo é desenvolver exemplos palpáveis de empreendedores que, a partir de poucos recursos, sejam capazes de ,construir empresas grandes e sólidas.

O resultado deste trabalho já é tangível: desde 2000, quando o instituto iniciou suas atividades, as 35 empresas apoiadas já conseguiram, juntas, captar mais de R$ 86 milhões em investimentos, gerar receita de R$ 342 milhões e criar mais de 9 mil empregos.

A Endeavor ainda tem sido pioneira na disseminação de conteúdo qualificado para educação de empreendedores, oferecendo gratuitamente em seu site (www.iee.org.br) o completo acervo especializado no assunto.

Nele, estão disponíveis mais de 3000 artigos e 200 vídeos de palestras, que abordam temas relevantes para quem pretende criar e gerir uma empresa. Com o site, o Instituto já educou até hoje mais de 36.000 empreendedores.

É importante reconhecer que, nos últimos cinco anos, a bem-sucedida atuação de algumas instituições tem contribuído para melhorar a capacitação dos empreendedores e a qualidade dos empreendimentos brasileiros. Exemplos disso são a consolidação do movimento das incubadoras de empresas, a multiplicação dos cursos de empreendedorismo nas universidades e o trabalho intenso promovido pelo Sebrae Nacional. Ainda há muito trabalho a ser feito. É preciso que a sociedade brasileira eleve essa causa à condição de prioridade número 1 do País. Sem desenvolver uma massa crítica de empreendedores competentes, capazes de criar empresas "para durar", o Brasil dificilmente conquistará crescimento econômico sustentável e será incapaz de garantir empregos de futuro para a sua população.

Cabe, portanto, às nossas empresas, ONGs e também ao governo, refletirem sobre qual deve ser a sua parcela de contribuição para esta empreitada.

Gabriel Luiz Oliva Perez é analista de Serviços Empreendedores do Instituto Empreender Endeavor.



Destaques da Loja Virtual
O FUTURO COMO UM BOM NEGÓCIO: COMO AS PERCEPÇÕES ...

Atualmente todos enfrentam desafios impossíveis. No entanto, o flash de antevisão transforma o impossível em possível revelando oportunidades ocultas ...

R$75,00