Oportunidades de Negócios

 
  Data Inclusão: 23/06/2006
Autor: Jornal do Commércio

Telas contra mosquitos têm público cada vez mais amplo

Investimento inicial em loja é de R$ 25 mil, afora o ponto comercial

Quem nunca foi acordado com um zumbido incômodo no ouvido no meio da noite? Ou com uma picada daquele mosquito que teima em aparecer todo Verão? Provavelmente todo mundo já passou por alguma dessas situações, mas o problema pode ser evitado com uma solução das mais práticas: telas contra mosquitos, não tóxicas, anti-alérgicas e anti-chamas, algumas até com tecnologia de ponta (com fibra de vidro, revestida de PVC, também conhecidas como "cyberglass") que impedem a entrada dos "bichinhos estranhos" em qualquer recinto. Lojas especializadas não faltam no Rio de Janeiro e em São Paulo. O investidor interessado em abrir um negócio do gênero deve desembolsar, pelo menos, R$ 25 mil (sem o ponto comercial incluído) para dar o pontapé inicial. O faturamento médio mensal, no início do negócio, no entanto, não ultrapassa a faixa dos R$ 10 mil e a margem de lucro pode chegar a 30% do faturamento bruto.

A primeira medida que o futuro dono de uma loja de tela contra mosquitos deve tomar é se credenciar na Udinese Papaiz, única fornecedora de matéria-prima e de telas. Depois do credenciamento, é chegada a hora de comprar material. Serra de corte, furadeira e uma parafusadeira são apenas algumas das máquinas necessárias para o corte da tela na medida em que o cliente deseja. Um carro também é fundamental não só para a entrega do produto na casa do consumidor, como também para a divulgação do negócio.

Falta de conhecimento é entrave para o produto

"As telas ainda são pouco difundidas. Muita gente das classes A e B ainda não conhece o produto. O carro ajuda a levar entregas para os clientes e também pode ajudar na propaganda, levando o logotipo da loja pela cidade e espalhando folderes pelos lugares mais distantes", ensina Ricardo Khalil, gerente da Equipar, especializada em telas, na Zona Sul de São Paulo. Fazer um curso na própria Udinese Papaiz e ainda treinar os vendedores para a montagem das telas são parte essencial para o início do negócio. "O vendedor não tem que saber só montar a tela, mas também saber mostrar todas as suas vantagens, como o fato de não ser um material tóxico, de poder ser usado para proteger as crianças dos mosquitos e também de não tirar a ventilação nem a visibilidade do ambiente", explica Herófilo Silveira, proprietário da Projan, há com quatro anos no mercado, com sede na Zona Oceânica de Niterói, no estado Rio de Janeiro. Para Ana Balog, diretora da Richontech, que vende tela para mosquitos entre outros serviços (como instalação de persianas e manutenção de esquadrias), na Zona Oeste de São Paulo, o treinamento de vendedores é o grande responsável pelo sucesso da loja. "Todos têm que entender e saber trabalhar com o produto. Além disso, é muito importante que o vendedor seja uma pessoa educada e de confiança. Normalmente, ele vai até a residência do cliente tirar as medidas e instalar a tela. É um trabalho que exige atenção: não podemos colocar qualquer um na casa de alguém", resume Ana, que é otimista quando o assunto é o mercado para fabricantes e vendedores de telas para mosquitos. "A procura hoje aumentou bastante em relação aos anos anteriores. O calor e também a epidemia de dengue fizeram com que os clientes viessem à loja para comprar telas. Hoje, não recebemos mais só pais que querem proteger seus filhos das picadas de mosquito. Há também solteiros, casais e muito idosos que nos procuram", revela.

Sazonalidade é o desafio do setor

Já Herófilo Silveira e Ricardo Khalil têm opiniões diferentes. A sazonalidade do negócio ainda é o principal incômodo de ambos. "Neste Verão, as vendas foram bem melhores em relação ao ano passado, mas durante o resto do ano a procura é muito menor. As pessoas só querem telas contra mosquitos quando realmente é necessário. No resto do ano, dá para continuar vivendo do negócio, só que com mais aperto", confidencia Silveira, que na sua loja tem telas cujos preços variam de R$ 100 a R$ 200. "Apesar de o mercado estar muito melhor que em épocas passadas, as vendas dependem muita de estação. No Verão dá uma grande aquecida e no resto do ano dá para segurar", complementa Khalil. Uma outra preocupação dos empresários é tirar da cabeça do consumidor uma confusão que pode ser responsável por muitos acidentes: uma tela contra mosquitos não serve como tela para proteção de bebês e crianças. "Há muitos que pais que vêm aqui pensando que estão resolvendo dois problemas com uma tacada só: salvando seus filhos das picadas dos insetos e também de todos os perigos que eles têm ao se aproximarem de uma janela ou de uma porta. Eles não só estão enganados, como estão colocando a vida de suas crianças em risco. A tela é muito leve e pode sair do lugar com qualquer movimento mais brusco", alerta Ricardo Khalil, da Equipar, de São Paulo. Mas, para decorar o ambiente, a tela até que tem o seu charme. "Muita gente aproveita a necessidade da tela e faz da peça uma parte da decoração. Só o nome Papaiz já é um sinônimo de qualidade e também de um bom produto. Tem tela de vários materiais e as peças podem ser colocadas em portas e janelas. Dá um toque de diferente na casa", assegura Ana Balog, da Richontech.

Serviço

Equipar, 0xx-11-5506-7088

Projan, 0xx-21-2609-1654

Richontech, 0xx-11-3662-3166

Udinese Papaiz, 0xx-11- 4093-5100


Raio X

Loja de telas para mosquitos

Investimento inicial: R$ 25 mil (afora o ponto comercial)

Faturamento médio mensal: R$ 10 mil (no início do negócio)

Margem de lucro: 30% sobre o faturamento bruto

Capital de giro: R$ 8 mil

Tempo de retorno do investimento: um ano

Funcionários: no início, a loja só precisa de dois funcionários. Um para ficar na rua cuidando da instalação na casa dos clientes e outro para cuidar da loja.

Área: 20 a 30 metros quadrados. À medida que o negócio for aumentando, o espaço deve crescer também.

Risco: alto. Segundo o consultor do Sebrae/RJ, Haroldo Caser, não há grande procura pelo produto. Para se estabelecer é necessário investir em outros produtos como persianas e janelas ou instalar o negócio em regiões litorâneas ou no interior. Ter lojas em grandes capitais não é interessante.

Fonte: Jornal do Commércio


Destaques da Loja Virtual
SERVIÇOS - OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SUCESSO

Analisa os tipos de serviços e mostra como esse setor está expandindo rapidamente. Aponta os principais erros e contradições do setor, orientando gere...

R$15,00