Oportunidades de Negócios

 
  Data Inclusão: 11/12/2006
Autor: Jornal do Commércio

De olho no Verão

Sorveteria, loja de acessórios para piscinas e instituto de depilação estão entre as opções com investimento a partir de R$ 50 mil

O Verão começa em cerca de dez dias, mas empresários que atuam em áreas como fabricação de biquínis, venda de sorvetes e acessórios para piscinas já comemoram a chegada da estação mais quente do ano. Muitos já aumentaram o estoque de produtos e mão-de-obra para não perder as oportunidades potenciais que a alta temperatura pode oferecer ao negócio. Os empreendedores que desejam aproveitar o período podem optar por negócios como instituto de depilação, loja de bijuterias e acessórios para surfe, com investimento que vai de R$ 50 mil a R$ 85 mil.

Para driblar a sazonalidade e manter as vendas em equilíbrio, por exemplo, no Inverno, muitos empresários investem em diferentes serviços ou produtos. Segundo a consultora do Sebrae/RJ, Thais Helena de Lima Nunes, o empreendedor deve estar ciente de antemão que o negócio pode sofrer quedas nas vendas em períodos mais frios. Ela recomenda que procurem uma alternativa de produtos para vender neste período.

É o caso de J. Geraldo, proprietário da loja Milkini, em Tucuruvi, em São Paulo. No Verão, sua loja vende 90% a mais que no restante do ano. Dessa maneira, para enfrentar os períodos em que o negócio não é favorecido pela estação mais quente passou a vender há quatro anos casacos de moleton, com zíper e capuz, feitos na própria fábrica. De acordo com os empresários, como as pessoas estão mais felizes porque o sol está brilhando e os dias parecem passar mais lentamente, tendem a consumir mais porque o bom humor favorece o consumo.

Na Depyl Action, rede de franquias especializada em depilação, o aumento de clientes é de 40% no Verão, informa Danyelle Van Straten, diretora comercial e franqueadora da marca. Segundo ela, o índice é elevado e a razão é porque as mulheres querem estar com o corpo preparado para as areias quentes da praia. "Tem cliente que marca e já paga a depilação em outubro, mesmo com o Verão começando no final de dezembro. Existe um ritual para a estação. As mulheres querem estar prontas e bonitas para viajar e ir à praia. Já os homens são mais fiéis e não é observado um aumento de clientes na data porque costumam vir periodicamente", revela.

Danyelle informa que a primeira loja própria da Depyl Action foi aberta em Camboriú, balneário no sul do País. A primeira franquia foi aberta em Belo Horizonte. A franqueadora conta que nas regiões Sudeste, Norte e Nordeste a atuação ainda é maior em virtude da temperatura. Com 35 lojas espalhadas pelo Brasil e uma na Venezuela, a Depyl Action exige investimento de R$ 85 mil de seus franqueados. Há nove anos no mercado, a intenção da empresa é expandir cada vez mais no Rio de Janeiro, onde se localizam oito franquias. Segundo Danyelle, a expansão é programada, porque há preocupação com a qualidade e padronização dos serviços oferecidos.

"Logo no início do ano, fazemos um planejamento estratégico de expansão visando não somente ao crescimento, mas também a qualidade e o suporte que oferecemos às franquias já existentes. O perfil do franqueado é formado principalmente por empreendedoras com capacidade de liderança e total identificação com a marca", explica.

MODA PRAIA. Depois da depilação, o segundo passo para as mulheres ficarem prontas para o Verão é achar o biquíni, maiô, canga e sandália para ir à praia ou piscina. J. Geraldo, da Milkini, que também tem uma fábrica na região, conta que já contratou mais três funcionários para a empresa especificamente para a estação.

Os biquínis custam a partir de R$ 23,50 e, acima de 15 peças, o cliente tem desconto de 15%, informa o empresário, que vende no atacado e no varejo. Ele lembra que vende sungas também, embora o maior número de vendas seja da linha feminina. Segundo ele, o investimento inicial para uma loja de roupas de banho é de aproximadamente R$ 40 mil, sem o ponto comercial.

"Começamos o trabalho na fábrica em ritmo acelerado três meses antes para garantir as vendas. Recebo várias ligações para saber até que horas a loja fica aberta. É a melhor época para o meu negócio", diz ele, que já planeja para o próximo ano maiores novidades no design da próxima coleção.

Definido o traje de banho é hora de aproveitar o sol. Ricardo Pagani, proprietário da Pool Rescue, empresa de vigilância, manutenção, produtos e acessórios para piscinas, conta que no Verão o consumo, de fato, é maior. Pagani revela que os clientes não deixam de comprar os produtos durante todo o ano, mas há maior consumo de cloro e acessórios, por exemplo, porque as pessoas freqüentam mais a piscina e a utilização se faz necessária.

Para atender aos clientes, a empresa tem profissionais especializados, habilitados pelo grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros e pela Feema, além de estarem registrados no Conselho Regional de Química para oferecer segurança aos usuários da piscina, deixando a água em bom estado de conservação, livre de odores, vírus e bactérias.

"A Pool Rescue vende produtos químicos, piscinas de fibra e vinil, bombas, filtros, móveis para piscinas e jardins e equipamento de segurança. A empresa também fornece serviço de guardiões de piscina, manutenção, consultoria técnica, instalação de hidromassagem, saunas, aquecedores e projeto e construção de piscinas", diz Pagani.

SURFE. Aproveitar a praia é um dos melhores momentos do Verão. Há vários empreendimentos que são favorecidos, sejam quiosques que vendam bebidas e sanduíches e até os vendedores informais. Entretanto, nem todos lembram que no Verão muitos decidem aproveitar a praia para aprender a surfar. Surfista desde os cinco anos, Leo Tavares é proprietário da Leo Tavares Surf Boards, fábrica de pranchas e loja de acessórios e equipamentos para o surfe.

Segundo Leo, no Verão as vendas aumentam porque além dos surfistas profissionais que praticam todo ano, crianças e adolescentes entram de férias e aproveitam a estação e os dias livres para aprender a surfar. Tavares também diz que o décimo terceiro salário também impulsiona as vendas. Em sua fábrica, ele desenha no computador e faz pranchas personalizadas por encomenda e vende na loja desde capas para as pranchas até o strep, corda que prende a prancha ao pé.

"O Verão é a melhor época de vendas de pranchas, na fábrica e na loja. Além dos surfistas profissionais, há as pessoas que aproveitam as férias e os dias quentes para aprender a surfar", conta Tavares, que também faz conserto de pranchas. Segundo Tavares, para abrir uma fábrica de pranchas é necessário um ambiente grande, com mais de cinco cômodos, porque além de as pranchas serem grandes passam por diversos processos em sua fabricação.

Durante os dias de Verão, seja ao comprar a roupa de banho ou ir à praia, muitas mulheres não se descuidam e usam bijuterias e acessórias para valorizaram seu "look" praiano. De acordo com Carlos Alberto Sobral, proprietário da Sobral, marca de bijuterias e objetos decorativos com lojas no Brasil e no exterior que fatura mais de US$ 2,5 milhões por ano, o Verão é a fase mais importante para seu negócio.

"O Verão é a estação por excelência das bijuterias e jóias no Brasil e na Europa. No Verão vendo o dobro ou mais porque as pessoas estão mais felizes. Tenho a sorte de quando a estação acaba no País, inicia na Europa, ou seja, a marca sempre vende", completa Sobral.

Serviço

Depyl Action, 0xx-31-3222-7701, www.depylaction.com.br e franquiadepylaction.com.br

Leo Tavares Surf Boards, 0xx-21-2429-7650 e www.leotavares.com.br

Milkini - Moda Praia e Fitness, 0xx11-6202-7550 e www.milkini.com.br

Pool Rescue, 0xx-21-2432-3000, www.poolrescue.com.br e poolrescuepoolrescue.com.br

Sebrae, 0800-782020

Sobral, www.rsobral.com.br

Sorvete Itália, 0xx-21-3204-1920, www.sorveteitalia.com e simonesorveteitalia.com

Raio X

Depyl Action (franquia)

Negócio: rede de lojas de depilação

Investimento inicial: R$ 85 mil
Capital de giro: R$ 10 mil
Taxa de franquia: R$ 40 mil
Taxa de royalties: 6% do faturamento bruto
Taxa de publicidade: 1% do faturamento bruto
Faturamento médio mensal: não divulga
Margem de lucro sugerida: 40%
Número de funcionários: 5
Área: 80 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 24 a 36 meses
Risco: médio. Um bom ponto comercial será fundamental para o sucesso do negócio.

Sorvete Itália (franquia)

Negócio: sorveteria

Investimento inicial: R$ 80 mil
Capital de giro: R$ 6 mil
Taxa de franquia: R$ 25 mil
Taxa de royalties e taxa de publicidade: três salários mínimos mensais
Faturamento médio mensal: R$ 45 mil
Margem de lucro sugerida: 15% a 20%
Número de funcionários: 8
Área: 28 a 40 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 20 meses
Risco: médio. No Verão o consumo é grande, mas quando faz frio as vendas caem. É um mercado sazonal.

Produtos e acessórios para piscina (próprio)

Investimento inicial: R$ 50mil
Capital de giro: R$ 10 mil
Faturamento médio mensal: R$ 10 mil
Número de funcionários: 4
Área: 40 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 24 a 36 meses
Risco: alto. A demanda atualmente não é tão alta diante do crescimento da construção de edifícios. Com isso, é reduzida a produção de piscinas nas casas.

Loja de acessórios para surfe (próprio)

Investimento inicial: R$ 60 mil
Capital de giro: R$ 15 mil
Faturamento médio mensal: R$ 15 mil
Número de funcionários: 3
Área: 50 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 24 meses
Risco: médio. O ideal é que o empreendedor já pratique o esporte para conhecer o mercado.

Loja de bijuterias (próprio)

Investimento inicial: R$ 50 mil
Capital de giro: R$ 15 mil
Faturamento médio mensal: R$ 20 mil
Número de funcionários: 3
Área: 40 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 36 meses
Risco: médio. O empreendedor deve participar das feiras do setor.

Loja de moda praia (próprio)

Investimento inicial: R$ 60 mil
Capital de giro: R$ 15 mil
Faturamento médio mensal: R$ 20 mil
Número de funcionários: 4
Área: 50 metros quadrados
Tempo do retorno do investimento: 36 meses
Risco: médio. É um mercado sazonal e as vendas podem despencar no Inverno.

Fonte: empresas e Thais Helena de Lima Nunes, consultora do Sebrae/RJ (risco)

Sorveteria é opção no sistema de franquias

Após curtir a praia ou piscina, o momento pede algo refrescante. Sorvetes e picolés são, por excelência, representantes do Verão. De acordo com Simone Viana, gerente de Franquia do Sorvete Itália, rede de sorveterias com 18 lojas espalhadas pelo Rio de Janeiro, a estação é o melhor momento de vendas para a empresa, embora durante todo o ano o negócio continue crescendo.

"O Verão para o Sorvete Itália é o foco principal. Há maiores vendas em função do hábito brasileiro de consumir produtos refrescantes na estação do calor. Fazemos muitos lançamentos na estação para aproveitar o período", conta a gerente. Segundo Simone, ainda há pontos no Rio de Janeiro em potencial para abrir franquias da marca, como nos bairros do Jardim Botânico e Largo do Machado, ambos na Zona Sul carioca.

O investimento inicial da franquia do Sorvete Itália é de R$ 80 mil. O sistema de franquias foi implementado em 2001 com a inauguração da primeira loja em Ipanema, a duas quadras da praia. Atualmente, são17 franquias e mais de 50 sabores de sorvete nas linhas Itália (frutas e cremosos tradicionais), Gold (sorvetes mais sofisticados) e Superdiet (sem açúcar).

Fonte: Jornal do Commércio


Destaques da Loja Virtual
A ARTE DE GERIR PESSOAS

"Qual o maior desafio de um ambiente criativo, seja este ambiente uma empresa brasileira, uma americana ou uma européia? Conseguir espaços criativos s...

R$25,00